Marginália Federal – Vacinas influenza – Resolução RDC Anvisa 59, de 09.11.11

RESOLUÇÃO – RDC Nº 59, DE 9 DE NOVEMBRO DE 2011

Dispõe sobre vacinas influenza a serem utilizadas

no Brasil no ano de 2012.

A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância

Sanitária, no uso da atribuição que lhe confere o inciso IV do art. 11

do Regulamento aprovado pelo Decreto nº 3.029, de 16 de abril de

1999, e tendo em vista o disposto no inciso V e nos §§ 1º e 3º do art.

54 do Regimento Interno aprovado nos termos do Anexo I da Portaria

nº 354 da ANVISA, de 11 de agosto de 2006, republicada no DOU de

21 de agosto de 2006, em reunião realizada em 8 de novembro de

2011,

adota a seguinte Resolução de Diretoria Colegiada e eu,

Diretora-Presidente Substituta, determino a sua publicação:

Art. 1º As vacinas influenza a serem utilizadas no Brasil no

ano de 2012 somente poderão ser produzidas, comercializadas ou

utilizadas se atenderem às determinações e composições estabelecidas

nesta Resolução.

Art. 2º É vedada a utilização de quaisquer outras cepas de

vírus em vacinas influenza no Brasil, e aquelas atualmente comercializadas

ou fabricadas fora destas determinações deverão ser retiradas

do mercado.

Art. 3º As vacinas influenza a serem utilizadas no Brasil a

partir de fevereiro de 2012 deverão conter, obrigatoriamente, três

tipos de cepas de vírus em combinação, e deverão estar dentro das

seguintes especificações:

I – um vírus similar ao vírus influenza A/California/7/2009

(H1N1);

II – um vírus similar ao vírus influenza A/Perth/16/2009

(H3N2); e

III – um vírus similar ao vírus influenza B/Brisbane/

60/2008

Art. 4º Considerando que as cepas recomendadas para o ano

de 2012 são as mesmas recomendadas para o ano de 2011, as empresas

que tiveram a alteração pós-registro “PRODUTO BIOLÓGICO

– Atualização de cepa de produção de vacina contra a gripe” aprovada

no ano de 2011 estão dispensadas de nova avaliação da Anvisa para

o ano de 2012.

Art. 5º O descumprimento das disposições contidas nesta

Resolução constitui infração sanitária, nos termos da Lei n. 6.437, de

20 de agosto de 1977, sem prejuízo das responsabilidades civil, administrativa

e penal cabíveis.

Art. 6º Esta Resolução da Diretoria Colegiada entra em vigor

na data de sua publicação.

MARIA CECÍLIA MARTINS BRITO

DOU 10.11.11

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s


%d bloggers like this: